Estação Grunge

Foi em Setembro do ano passado que a passarela de Dries Van Noten, na semana de moda de Paris, nos reapresentou à estética grunge, e então já estava decidido: a temporada seria do rock dos anos 90. Esta estética já havia sido apresentada semanas antes, em Nova York, na passarela de Phillip Lim, que se baseou em muito quadriculado/xadrez e sobreposições – características marcantes do estilo grunge. O estopim de confirmação da tendência foi a apresentação pre-fall da Chanel em Dezembro, que aconteceu no Métiers d’Arts em Edimburgo: Karl Lagerfeld elegeu o tartan escocês como matéria-prima da coleção, e combinou com diversas sobreposições, remetendo ao estilo grunge rebelde-chique.

A grife Dries Van Noten combinou peças em tecidos delicados e fluidos – como seda e organza – com estampas marcantes do estilo: o xadrez e florais. Vez e outra, saias bordadas apareciam na passarela, que carregam a exclusividade e requinte da haute couture. Os prints florais vêm de outra referência grunge: Kurt Cobain geralmente usava vestidos esvoaçantes com estampas florais, um aspecto andrógino do estilo.

Já na passarela de Phillip Lim, foi um abuso de estampas quadriculadas e sobreposições, marco principal da estética grunge, que também foram o ponto alto da marca brasileira Espaço Fashion.

A mistura de materiais, que vem sendo cada vez mais notável nas passarelas ao longo dos anos, torna-se um grande motivo para o retorno do estilo grunge como tendência nesse ano, mesmo não sendo intencional na década em que surgiu.

O primeiro a trazer o grunge oficialmente ao cenário fashion das marcas foi Marc Jacobs, que definiu o estilo como “uma versão hippie e romântica do punk”. Trata-se de uma mutação do estilo carregado e típico dos roqueiros para roupas com “cara de pijama”. A explosão tomou lugar em Seattle, berço de bandas que seguem o estilo musical.

Kurt Cobain, ex vocalista do Nirvana e precursor do vestuário grunge.
Eddie Vedder, vocalista do Pearl Jam, banda grunge que continua na estrada até hoje.

Mas a aposta da vez é o neogrunge, que já faz parte do closet das trendsetters e fashionistas antenadas. Com silhueta mais sequinha, menos sobreposições e mais equilíbrio, o estilo promete nessa temporada! Vejam alguns exemplos:

Giles; backstage.
Editorial "Puro Nirvana", Vogue Brasil, Março 2013.

Fotos: Reprodução.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s